Entidades de Ensino Médico declaram apoio ao “Mais Médicos”

:

 

Carta de apoio das entidades é direcionada à proposta do governo de tornar a residência obrigatória a partir de 2018; caso as mudanças sejam implementadas pelos ministérios da Saúde e da Educação e incorporem a MP 621/2013, haverá “uma mudança significativa no perfil da prática médica para os próximos anos no Brasil, que beneficiará sobremaneira a população brasileira”, afirmam entidades; Padilha rebate críticas do CFM sobre inscrição no programa: “90% dos CRMs inválidos não eram uma confusão de números, eram zero, zero, zero ou traço, traço, traço”

 

1 DE AGOSTO DE 2013 ÀS 20:34

 

Agência Brasil – Representantes de entidades do ensino médico e da medicina de família divulgaram nesta quinta-feira (1º) uma carta de apoio à proposta do governo de tornar a residência obrigatória a partir de 2018, um dos itens do Programa Mais Médicos. Segundo a carta, caso as mudanças sejam implementadas pelos ministérios da Saúde e da Educação e incorporem a Medida Provisória (MP) 621/2013 – que institui o programa – em tramitação no Congresso Nacional, haverá “uma mudança significativa no perfil da prática médica para os próximos anos no Brasil, que beneficiará sobremaneira a população brasileira”.

A carta é assinada pelo diretor da Associação Brasileira de Ensino Médico (Abem), Vardeli Alves de Moraes; pelo coordenador do Grupo de Trabalho dos Representantes dos Cursos de Medicina das Instituições Federais de Ensino Superior, Henry de Holanda Campos; pelo presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), Núlvio Lermen Júnior e pelo coordenador do Fórum de Dirigentes dos Cursos de Medicina das Instituições Federais de Ensino Superior (Formed), Antônio Carlos Lopes.

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério da Educação, três das entidades integram o grupo responsável pela proposta divulgada ontem (31).  A única que não faz parte é a SBMFC. A carta esclarece também que o grupo foi formado a partir de audiências para as quais o próprio MEC convidou autoridades e representantes de cursos de medicina para discutir a educação médica e debater propostas para aperfeiçoar o Mais Médicos.

A proposta apresentada é o resultado dessas discussões. Além de tornar a residência no SUS obrigatória, a proposta é que a residência nas cinco áreas prioritárias do SUS – que são cirurgia geral, ginecologia-obstetrícia, pediatria e medicina de família e comunidade – e mais a psiquiatria tenham o primeiro ano voltado para atenção primária, em urgência e emergência.

Os especialistas entendem que os melhores sistemas de saúde do mundo têm cuidados primários e estratégias de saúde da família e da comunidade sólidos e que isso melhora “a eficiência dos serviços de saúde, satisfação do paciente e qualidade de vida da população, tendo profissionais capacitados e comprometidos com a defesa da vida e da saúde das pessoas”.

O Programa Mais Médicos foi criticado ontem (31) por entidades médicas, que disseram não ser possível implementá-la com qualidade no tempo estipulado pelo governo.

PADILHA REBATE CRÍTICAS

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, rebateu nesta quinta as críticas do Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre o processo de inscrição no Programa Mais Médicos. A entidade informou que vai encaminhar à Procuradoria-Geral da República e à Polícia Federal pedido para que apurem falhas no processo, relatadas pelos profissionais de saúde.

“É uma crítica inconsistente e vazia. O que foi dito hoje não tem consistência”, disse o ministro. Segundo Padilha, a grande maioria dos números de registro nos conselhos regionais de Medicina (CRMs) considerados inválidos no processo de inscrição foi digitada de forma aleatória propositalmente, e não invalidados por eventuais erros do sistema, como argumenta o CFM.

“Noventa por cento dos CRMs inválidos não eram uma confusão de números, eram zero, zero, zero ou traço, traço, traço. Mesmo assim o Ministério da Saúde, para valorizar o médico que quer participar do programa, deu mais um prazo para que esses médicos, que realmente tinham interesse, pudessem corrigir”, declarou o ministro.

Dados apresentados hoje pelo ministro da Saúde mostram que dos 3.891 médicos que completaram o cadastro do programa, 2.379 indicaram os municípios aonde desejam trabalhar. Segundo Padilha, os médicos agora terão dois dias para concluir o processo, homologando a escolha das cidades. Quem concluiu o cadastro, mas não informou o município, poderá indicar as opções a partir do dia 15 de agosto, quando o governo vai reabrir prazo para novas inscrições e correção de dados de médicos já inscritos no programa.

Fonte: http://www.brasil247.com/+8l70n

Anúncios

Sobre brasilunido
Sou um dos milhões de brasileiros que atuam em defesa da DEMOCRACIA, contra os GOLPISTAS e em defesa do legado deixado por LULA/DILMA, que aliaram crescimento econômico, geração de empregos, distribuição de renda e inclusão social, levando milhões de brasileiros à ascensão social, e que continua na luta por melhorias da saúde e educação e que busca todos os avanços necessários para a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros. Ainda utilizo este blog como uma opção de divulgação de serviços de utilidade pública e informações de esporte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: